Páginas

quarta-feira, 30 de junho de 2010

terça-feira, 29 de junho de 2010

[Campo Pequeno]

Estavamos tão animadas... pena foi Portugal não ter ganho... Logo este jogo o único que tive disponibilidade para assistir :(


sábado, 26 de junho de 2010

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Sozinha em casa.
Precisava de falar tontarices....
Precisava de ouvir a minha voz.
Vou colocar música bem alto
e vou cantar!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Um amor ...
perdura na nosso coração, na nossa cabeça, nos nossos objectivos, nas nossas vontades, nos nossos actos... mesmo com impossibilidades ou mesmo sem correspondência...
até um dia aparecer um outro amor tão ou mais forte do que o anterior capaz de superar essa ferida que dói escondida dentro de nós próprios...
Não adianta dizer que com o tempo passa, ou com as borgas...
Eu sei que não passa...
sim podemos, tentar ocultá-lo...
mas vai continuar ali nas noites sem sono, nas viagens longas, no fundo do horizonte, no céu azul, naquela música, naquele lugar, naquela roupa, naquele perfume, naquele espaço vermelho do nosso lado esquerdo do tórax...
Nunca acreditei que a algia fosse mesmo sentida de forma fisiológica, mas realmente é mesmo...
ainda sinto muitas vezes...

Preferia não sentir acredita.
E chego mesmo a desejar conhecer alguém que realmente,
me torne capaz de ultrapassar tudo isto...
Mas depois eu própria torno dificil,
inconscientemente viajo em pensamento na direcção do passado
e não consigo alcançar nada igual no presente.

Há muito tenho vontade de me expressar assim...
E a vontade de falar contigo e estar contigo essa então nem consigo descrevê-la...
Mas esta precisa de ser recíproca.

E continuo, da forma que melhor sei continuar...
Á procura de me sentir preenchida.

[fica sempre tanto por dizer...]






ps - Compreendo muito bem o que sentes sexta13.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Num jantar, num café...

Juntaram-se 3 tipos de homens bem diferentes...

-Um com mais de 30 anos solteiro, com um passado de boémia, em que admite que tinha mudado muita coisa na sua vida se podesse voltar atrás. Um homem inteligente, culto, educado... Determinado em envolver-se na compra de uma casa, para ele e para o seu animal de estimação.
Talvez, alguém que não acredita numa relação amorosa futura...
E fazendo um juízo de valor, talvez por que acha que passou da idade, talvez porque não existem mais mulheres com as qualidades que ele mais admira/mais o completa/mais o corresponde. Apesar disso, não se lamentar, parece muito acomodado e conformado com a sua situação actual.

Mas não acho bem... porquê desistir? Há um limite de idade?
Aposta na carreira, aposta na cultura (gosta de viajar). Será uma questão de escolha? Será pela falta de oportunidades na vida?



- Um com 27 anos, que para além de boémio, vive para o culto da sua imagem, da sua aparência. Já teve uma experiência passada de três anos com uma namorada, com a qual viveu junto, e que acabou da pior forma. Hoje vive dedicado a si, ás noites, aos bens materias...
Fala em aproveitar a vida, mas parece que fala ainda com certo enfrontamento na garganta, um pouco revoltado, como se injusticidado... Afinal a namorada actualmente namora com um rapaz de 20 anos tendo ela 24 anos...
Admite não querer saber mais de mulheres, porque sabe desenrrascar-se muito bem sozinho...

Não vejo que assim seja, digo eu. Hoje diz isto porque ainda é tudo muito recente, porque ainda está ali um sentimento guardado à mistura de outro quase ódio... Um dia aparece alguem e certamente mudará de opinião.

- Outro com 27 anos, com uma relação estavel de pura confiança. Um homem seguro, certo daquilo que diz. Com a opinião bem gerada, cheio de perspectivas próximas. Alegre e divertido, que intervem no momento certo de forma acertada... Cheio de curiosidades...


Como pode a parte afectiva, emocional, sentimental afectar tanto a conduta de alguém? Os interesses, o comportamento......

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Não podemos só ouvir o outro...
Não podemos guardar os nossos problemas só para nós...
Também nós precisamos de falar e de ser ouvidos...
Não é mãe...
Lembro-me bem quando te esquecias,
que também tu precisavas que te ouvissem
e que te ajudassem...

Somos tão parecidas.
Esquecemos-nos tantas vezes de olhar também por nós.
Pelo menos eu mãe... tenho-te a ti que olhas por mim.
Posso olhar também por ti?

Até amanhã mãe...
O bilhete já está na carteira :)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O que seria de mim sem os meus momentos sociais?
Sem a companhia de amigos?
Sem as tardes de passeio, os cafés da noite, as noitadas de fim de semana, as tardes de praia, os jantares cá de casa, os momentos televisivos na sala?

OBRIGADA

Sou uma sortuda dado que estou longe da família e preciso de alguma forma sentir apoio de algum lado...

Assim é facil Bárbara estar longe :)

Todos os dias conheço mais um colega de trabalho novo... mentira no fim das contas já os conheço quase a todos... Grande rede social a nossa de Enfermagem...
Afinal está a ser muito bom trabalhar no Serviço de Saúde e Segurança noo Trabalho.... toda a instituição passa pór nós... desde os colegas novos admitidos :) aos funcionários mais velhos da casa :)


Gosto de conhecer pessoas.
Gosto de conversar com pessoas.

:)

sábado, 12 de junho de 2010



Oh Santo António....

Que te hei-de eu pedir?

Muitos momentos de vida

p´ra continuar a sorrir.

[É noite de festa... ]


[e que festa!]

sexta-feira, 11 de junho de 2010

"O momento presente é o único que é teu (...) por isso não desejes que passe nem te percas no ontem e no amanhã. O ontem passou e, quando o amanhã chegar, já é hoje."

Por Elisabeth Edmondson
em Uma Villa em Itália

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Enerva-me profundamente,

aquelas pessoas que se fazem de vítimas por exemplo,
---»
São homosexuais, assumem-se e perdem o emprego e vêm dizer nas revistas que perderam o emprego porque se assumiram.
Eu não vou po meu trabalho dizer que sou hetero... isso não interessa para nada. Sabem lá o que sou ou deixo de ser. E há tanta gente que perde o emprego sem motivo. E uma coisa, é ser-se homossexual, outra coisa é provocarem os outros com cenas obscenas... [Nunca se sabe... o que anda por aí].
---»
Acabaram com o namorado, e são umas coitadinhas... Verbalizam vontade de suícido, com os colegas de trabalho, fazem questão de mostrarem-se tristes, de mostrarem que sofrem... Contam que o companheiro (a) lhes fez isto e aquilo... Coitadinhas...
---»
Pessoas que relatam todo o bem que fizeram, como no trabalho, palavreando todas as tarefas que fizeram... uhm, parece-me conversa a mais... Maior parte das vezes o trabalhador está naquele que nem tem tempo pa dizer o que fez ou está a fazer e pretende fazer...
---»
Pessoas que se intitulam como más da fita... "Eu fiz isto e aquilo e agora eu é que sou a má da fita" Como se as tivessem acusado de tal... lol
Que necessidade de se autorotularem em volta de um papel mau, julgando que os outros é que as rotulam... enfim..
---»
Pessoas que estão mal, por um motivo forte. E recebem ajuda, mas não aceitam essa ajuda ou aceitam mas inconscientemente repelem essa ajuda... Dizendo "Pois é fácil dizer o que dizes, mas porque nunca sentiste o que eu senti... é porque o teu sentimento não era como o meu"
Não acho que seja uma questão de sentimento mas sim uma forma fraca de enfrentar a realidade, o ter poucas defesas... sei lá..

Nem sei se isto é necessidade de atenção... se é ser-e egocêntrico... se é austentação em ser diferente... se é querer provocar outrém...
Hoje fui às finanças e dei termo aos ditos recibos verdes :)

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Porquê?

Não consigo acreditar no que te aconteceu.
Não consigo...

Por grande coincidência da vida estive contigo no ultimo fim de semana que fui a Fafe. Já há muito que não te via e fiquei contente por te ver e trocar impressões contigo, mas nunca pensei que essa fosse a última vez que te iria ver...

Foste diferente de todas nós, que juntas andamos na escola desde a primária até ao 9º ano. Não gostavas muito de estudar, e logo foste trabalhar. Depressa conheceste o teu marido e depois de casada tiveste uma linda filha, apesar das dificuldades do parto. Conseguiste.

Como posso eu acreditar que aquela menina que vi crescer ao mesmo tempo que eu, já não está junto de nós?
Aquela menina cheia de energia, sem medo de viver.

NA tua vida tudo aconteceu de forma rápida.
Era como se tivesses pressa de viver.
Como a cumprir um compasso de tempo.

De mim para ti
Até já**

Até sempre ...

sábado, 5 de junho de 2010


É um prazer estar connvosco em Lisboa :P

VENHAM mais ...

jantares, saídas, noitadas, ponchas, praias...


O peixinho cá de casa, deixou-nos :(

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Acredito cada vez mais...
que as coisas estão pré destinadas quando acontecem.

Nós só temos de perceber porque acontecem naquele momento, naquele sitio...
acredito...
que tudo é uma construção
e o que aconteceu antes... foi para dar o fruto ao que acontece hoje...
e o que acontece hoje dá fruto ao que acontecerá amanhã.

Enquanto for assim... temos uma vida á nossa frente para construir.

quinta-feira, 3 de junho de 2010